O racismo em Monteiro Lobato segundo leituras de afogadilho

Aluizio Alves Filho

Resumo


O artigo enfoca o recente debate sobre a obra de Monteiro Lobato analisando os argumentos de que se valem três textos de diferentes publicações veiculadas na década de 2010: um em revista acadêmica (Dados) e dois em semanários vendidos em banca de jornal (Carta Capital e Bravo). Os argumentos sustentados desconstroem a produção literária de Monteiro Lobato, retirando-o do panteão dos grandes nomes nacionais e reduzindo-o a eugenista/racista. O artigo ressalta a diferenças qualitativas que existem entre tomar a obra, a contribuição e o pensamento de um autor como objeto sistemático de estudo e o abordar tais questões às pressas por motivações conjunturais, realizando o que é definido como leitura de afogadilho. Metodologicamente a análise se baseia em instrumental de pesquisa de natureza histórico-sociológica.


Palavras-chave


Racismo; Monteiro Lobato; censura; ideias sociais e políticas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15175/1984-2503-20168208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:



 

 
 
 Indexadores:



 
 
Facebook: