Carl Schmitt e a forma política da Igreja

Marcelo Sampaio Soares de Azevedo

Resumo


Em duas obras do início do século passado, “Teologia Política I” (publicada em 1922) e “Catolicismo romano e forma política” (1ª edição em 1923 e 2ª edição em 1925 com pequenas alterações), Carl Schmitt realçou a presença histórica do catolicismo e abordou o processo de institucionalização operado na e pela Igreja Católica, tema que ganha destaque por situar no centro do seu pensamento questões que tangenciam o universo teológico e que evidenciam o aspecto propriamente teológico-político deste pensamento. O propósito do presente estudo é, em face destas obras, apresentar as linhas gerais do pensamento schmittiano acerca da ordem própria da Igreja, da sua forma visível, da sua racionalidade singular e também de seu duplo na conformação do Estado, daquilo que serviu (e serve) como paradigma para a ordem estatal.

Palavras-chave


Teologia política; ordem estatal; representação; liberalismo; liberdade religiosa

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15175/1984-2503-20168105

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Apoio:

 
 
 
 Indexadores:

 
 
Facebook: