O mito de São Tomé ou Sumé: O nexo teológico-político entre o Oriente e o Ocidente

Pedro Dalla Bernardina Brocco

Resumo


Sérgio Buarque de Holanda, em Visão do Paraíso, afirma que o mito de São Tomé é o único mito da conquista de procedência luso-brasileira. Diferentemente do mundo castelhano, que se orientou, desde as primeiras cartas de Colombo, por questões imaginárias relativas à ideia de Paraíso terreal, de fonte da juventude, de amazonas e seus tesouros, do Rei branco e suas montanhas de ouro, o mundo português se nutriu mais modestamente e de forma especial do imaginário em torno da mitologia de São Tomé e de sua passagem pelo mundo. No Brasil, lê-se já nas primeiras cartas de Manuel da Nóbrega o termo “Sumé” para designar a figura de Tomé e fazer referência a pegadas humanas e a um misterioso mensageiro de verdades sobrenaturais que estabelece a comunicação entre Brasil e Índia, e dessas regiões com o mundo católico-português. O mito de Tomé ou Sumé funcionaria, assim, como uma solução histórica ou uma tentativa intelectual e imaginária de ligar o Brasil à Ásia e ambos à cosmologia cristã.


Palavras-chave


mito luso-brasileiro; São Tomé; Sumé; período colonial; século XVI

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15175/1984-2503-202012107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:



 

 
 
 Indexadores:



 
 
Facebook: