“O homem que é propenso a cometer um crime”: O paradigma indiciário e o racismo de Estado no cientificismo policial do século XIX

Murilo Duarte Costa Corrêa, Eduardo Reis de Mello

Resumo


Este artigo investiga a insistência de um paradigma indiciário como grade de análise para compreender a relação prática, estabelecida no curso do século XIX, entre os saberes, suas tecnologias e a polícia. Para tanto, recorre à descrição de uma série de tecnologias como a fotografia, a biometria e a antropometria, que foram adotadas pela prática policial e pela criminologia de inspiração positivista naquele período. Com isso, trata-se de verificar de que modo os saberes, as tecnologias e as variações que sua adoção implica nas práticas policiais de produção e gestão da verdade sobre o crime e o indivíduo criminoso podem iluminar a correlação entre a essencialização do criminoso e o que Foucault, no curso Em defesa da sociedade (1976), chamou de racismo de Estado. A investigação se vale de um recorte que privilegia a relação prática entre saberes, tecnologias, produção da verdade e poderes institucionais, e aproveita indistintamente fontes primárias como Galton, Bertillon, Vernois ou Lombroso, como parcela da fortuna crítica que se debruçou sobre esses originais, inspirando-se metodicamente nas linhas de análise proporcionadas sobretudo por Michel Foucault acerca das formações sociais disciplinares e de sua transição para a biopolítica.


Palavras-chave


polícia; paradigma indiciário; racismo de Estado; cientificismo; Antropologia Criminal

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15175/1984-2503-202012106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:



 

 
 
 Indexadores:



 
 
Facebook: