Vigo, vulgo Almereyda de Paulo Emílio Salles Gomes: a subjetividade na história do cinema

Ricardo Gaulia Borrmann

Resumo


Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977) foi um personagem multifacetado: militante, crítico, pesquisador, professor de cinema, além de escritor. Foi ainda o fundador da Cinemateca Brasileira. Apesar de suas múltiplas conexões em instituições importantes da história do cinema, como a Cinémathèque Française e a Federação Internacional de Arquivos de Filmes (FIAF), ele foi pouco estudado do ponto de vista da história intelectual. Este trabalho visa apresentar um roteiro de pesquisa sobre Paulo Emílio como intelectual, a partir da análise de sua obra póstuma Vigo, vulgo Almereyda, sobre o militante anarquista Miguel Almereyda – pai do cineasta francês Jean Vigo. Assim, subjetividade, política e religiosidade ganharão destaque na história do cinema.


Palavras-chave


Paulo Emílio Salles Gomes; história do cinema; história intelectual; subjetividade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15175/1984-2503-201911107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio:



 

 
 
 Indexadores:



 
 
Facebook: