A Criminologia e a polícia no Brasil na transição do século XIX para o XX

Francisco Linhares Fonteles Neto

Resumo


Esse artigo procura apresentar o percurso das teorias criminais advindas da Escola Italiana de Criminologia, surgida no século XIX, sua institucionalização e seu impacto entre os intelectuais brasileiros que pensaram as instituições policiais. Destaca as apropriações da obra de Cesare Lombroso e de outras escolas de pensamento criminológicas e suas relações com o discurso médico. Essas teorias encontraram guarida no pensamento social brasileiro, sobretudo entre os operadores da justiça criminal e segurança pública, preocupados em manter o controle social e que acabaram por estigmatizar os pobres, marginalizados socialmente. Produzem efeitos sobre a forma de abordagem policial, que destaca fatores como cor, renda, moradia e forma de se vestir, enfatizando estigmas sociais e consolidando a premissa de suspeição generalizada sobre os indivíduos pobres.

Palavras-chave


Criminologia; criminoso; polícia; controle social; justiça criminal

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15175/1984-2503-20168307

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Apoio:

 
 
 
 Indexadores:

 
 
Facebook: